Conheça a Fantástica(!!!) Namíbia em 6 dias! | Namíbia

Conheça a Fantástica(!!!) Namíbia em 6 dias! | Namíbia

9 December, 2018 6 By hugocaro

O triângulo dourado da Namibia: Windoehk, Swakpomund e Sussusvlei

A Namíbia é um tesouro ainda muito escondido do turismo em massa. E isso sente-se. É um país onde alugar um carro e seguir kilometros e kilometros de estrada pode ser a aventura de uma vida.

Eu só tive 6 dias para conhecer esta pérola em Bruto. Foi pouco, muito pouco. Recomendaria no mínimo 9 dias para poder acrescentar o Etosh Game Park à equação.

Como chegar à Namíbia?

  • Avião: Eu voei de Angola e para Angola, uma vez que estou por aqui a trabalhar e aproveitei 6 dias para conhecer este belíssimo país com o qual Angola faz fronteira

Como conhecer a Namíbia?

  • Alugar Carro: Eu recomendo sem dúvida o aluguer do carro. Nós alugamos na Hertz, e ficou-nos o aluguer por cerca de 300€ os 6 dias. Um Toyota Fortuner. Se pudesse escolher, e fosse mais barato, recomendaria um carro com tração às 4 rodas, uma vez que as estradas não são, em grande parte, alcatroadas. Mas um SUV vai cumprir a sua missão.
  • Tenha atenção: faça seguro para vidros e pneus.Nós tivemos o azar de, numa estrada de terra batida, um carro à nossa frente estava a soltar pedrinhas. Uma delas, por azar nosso, acabou incrustada no nosso vidro, o que, ao longo dos dias fez com que tivéssemos uma racha no vidro do tamanho de vidro todo… Resultado: Ficamos sem caução e ainda pagamos 260€ pelo vidro, porque não aceitamos o seguro para vidros e pneus da Hertz. Mas bem, a vida continua!

Tenho poucos dias por aqui, como vou fazer o meu roteiro?

Eu apresento uma solução para quem tem pouco tempo, faça o triângulo dourado e não se vai arrepender


1º Dia

Chegamos ao aeroporto de Windoek perto das 13h30. Prepare-se para bastante tempo na emigração. É demorada e não se esqueça de preencher o formulário de entrada no país, se não arrisca-se a chegar à frente da fila (ao longo de 2 longas horas) e ter que preencher ainda o papel. Então já sabe: vá preenchendo enquanto aguarda.

Depois do processo de carimbo do passaporte, as malas já devem ter chegado e já devem estar de lado, pegue nas suas e parta para a plataforma principal do aeroporto.

O aeroporto é realmente pequeno, não tem como se perder. Encontra rapidamente as agências de rent a car, pegue no seu, e parta ainda nesse dia de Windoek para Swakpomund e Walvis Bay.

Prepare-se para 350 KM de estrada. Esta estrada ainda é alcatroada e bastante fácil de fazer. Recorde-se sempre que estradas B são estradas alcatroadas em bom estado, estradas C, já nem tanto…

Procure alojamento em Swakopmund. Apesar de todas as atividades terem inicio em Walvis Bay, Swakopmund é a segunda cidade com mais população na Namíbia. Completamente dominada pela cultura alemã. Aliás: vai conseguir ver indicações em inglês e alemão. Todos os restaurantes, são também, tipicamente alemães.

Onde ficar? É fácil! Driftwood Guesthouse

Nós ficamos hospedados nesta charmosa GuestHouse. Só tenho a dizer que o atendimento foi impecável. Pequeno-almoço cinco estrelas. A recepcionista inclusive nos deu uma lista dos melhores restaurantes da zona e ofereceu-se para nos reservar as mesas para jantar e almoçar, sem custo associado. Para além que o quarto e a vista do quarto eram maravilhosos!

Vejam as fotos e podem reservar o mesmo hotel aqui:

Neste dia já vai chegar tarde, por isso, aproveite para descansar da viagem ou comer qualquer coisa neste restaurante: The Tug – como está quase sempre lotado, reserve antes!


2º Dia

Neste dia acorde cedo e prepare-se para a aventura! Mas não sem antes tomar o pequeno-almoço na Guesthouse!

Siga 30KM para Walvis Bay e prepare-se para entrar num barco, com direito a ostras, champanhe e alguns petiscos. No passeio de barco vai poder ver de perto, muito perto, as inúmeras focas que existem em Walvis Bay, bem como Golfinhos, Pelicanos e muitas outras aves. Vão ser 3 horas em alto mar, muito bem passadas. O Guia foi impecável e transmitiu todos os seus conhecimentos nos inúmeros anos que faz o caminho.

No período da tarde, prepare-se para entrar num 4X4 e seguir até Sandwich Harbor, onde o Oceano encontra o deserto. Prepare a câmara e o coração. Porque descer dunas de 50m de altura a pique num carro todo o terreno, e terminar com um lanche ao lado de Chacais, Oryx e Gazelas no meio do deserto. Vale muito a pena!

Nós compramos o pacote completo para o dia inteiro, e valeu a pena porque não perdemos tempo nenhum em organizar, e como inclui as refeições do dia todo, excepto o jantar, vale bem a pena.

Acredito que ao fim do dia deva estar cansado. Aproveite o fim de tarde para ver o mercado de Artesanato na praça principal, ao lado de todos os restaurantes conhecidos de Swakopmund e deixe-se ficar pelo Brewer & Butcher para uma maravilhosa refeição de carne de Oryx – que é simplesmente maravilhosa!


3º Dia

Aproveite ainda este dia de manhã para dormir um bocadinho mais ou vá até à praia, mas almoce no restaurante BlueGrass à beira do oceano Atlântico! Aqui também existe um centro comercial e é um bom spot para umas fotos de despedida!

Ainda pode tirar por aqui mais umas fotografias de despedida!

Depois de estar bem cheio com peixe fresquinho acabado de pescar, siga para Sossusvlei.

Aqui prepare-se, são mais 350 KM, mas a estrada não é alcatroada, nem parecido… Vai levar umas 5 horas. E ainda vai parar no tão conhecido Solitaire:

Nós paramos e não adoramos a famosa tarte de maçã… Mas o local é muito giro, principalmente porque está no meio de… nada! Interessante.

Siga o caminho, e aproveite as paisagens todas! Deixe-se maravilhar!

E chegue, ao por-do-sol a esta “miragem” – Hotel Le Mirage

Este hotel é no meio do Deserto (acabamos por optar por ele, apesar do preço, porque todas as opções perto do deserto estavam já lotadas) mas não nos arrependemos, em regime pequeno almoço e jantar, com uma maravilhosa piscina incluída e quartos com vista de perder o fôlego. Valeu muito a pena.

Vejam por vocês!

Aproveitem para descansar. Amanhã é dia de acordar cedo!


4º Dia

Neste dia acordamos às 5h para ir, num tour guiado e organizado pelo Hotel, para o meio do Deserto. Preparem a máquina fotográfica porque vão ficar sem espaço para tanta fotografia.

Pelo caminho vão ver a Big Daddy, a maior Duna da Namíbia, vão poder subi-la (bastante alta, precisa de várias horas) ou optem pela Duna 45, que são pouco mais de 100 metros de altura – já exige também algum esforço – mas em 1 hora conseguem subir e descer a duna! E vale tanto a pena!

Depois vão seguir para Deadvlei – o vale morto. Onde o contraste das cores é tão mas tão interessante. Percam algum tempo.

Pelo caminho vão ver Oryx, Avestruzes, Gazelas, podem ver cobras e algumas aranhas grandes (o nosso guia tirou uma da sua casota para a podermos ver!)

Estarão de volta ao Hotel antes das 14h para evitar a exposição solar intensa (não que eu não tenha apanhado um escaldão por isso… calçado confortável, água e protetor solar são obrigatórios)

Podem almoçar pelo hotel (já que não têm muitas outras opções) na piscina, uma refeição ligeira. Aproveitem a tarde para apanhar sol e banhos de piscina, e sigam para a parte traseira do hotel onde é promovido um por do sol com copos de vinho. É um momento mágico da viagem. Como já disse várias vezes, não há por-do-sol como o de África!

Jantem, e descansem. Amanhã seguimos para Windoek!


5º Dia

Acordem cedo, tomem um pequeno almoço e sigam para Windhoek. Preparem-se, novamente para 400 KM (que nas estradas sem alcatrão resulta em próximo de 6h de viagem). Aproveitem a viagem para ver a paisagem a mudar a cada KM que se passa!

Chegando a Windoek, ficamos alojados aqui: Caotinha Guest Cottage

O Pierre, o dono da Casa, casado com uma Angolana, foi simplesmente amável. Abriu as portas da sua casa, da sua piscina e ajudou-nos com tudo. Cinco estrelas!

Quando chegamos já era tarde, acabamos por descansar só um bocadinho da viagem, e seguimos para o restaurante para jantar: The Stellenbosch Wine Bar and Bistro

O restaurante é muito elegante e a comida estava divinal! Vale muito a pena!


6º Dia

De manhã fomos ao mercado de artesanato, único sitio onde podem comprar os últimos recuerdos, demos uma voltinha de carro, mas achamos que Windoek não oferece muito para ver – vínhamos com a base do resto da Namíbia, então acredito que foi por isso que Windoek nos desiludiu um bocadinho.

Apesar de muito diferente de Luanda, acaba por se sentir a mesma insegurança.

Almoçamos no Joes Beerhouse (muito conhecido quando se procura restaurantes na Namíbia) mas que sinceramente também nos desiludiu um bocadinho. O atendimento não foi bom, a comida não foi nada de especial… Enfim. Acredito que seja mais o espaço que convida as pessoas a ir. É de facto impressionante. Mas não me apaixonou.

Depois de almoçar, é hora de seguir para o aeroporto, para seguir de novo para Luanda!

 


A Namíbia foi mais uma surpresa para mim: não vinha com muitas expectativas, e acabou por ser uma surpresa muito muito agradável. Acredito que as fotografias falam por si mesmas! Eu adorei a Namíbia, e vocês? O que acharam?


Este post pode conter links afiliados

Deixa aqui o teu comentário 🙂
Se gostaste, não te esqueças de espalhar a palavra 🙂